Buscar

Perguntas Frequentes

Saúde e Segurança

Crianças devem sempre ser supervisionadas quando estão manuseando ímãs. Ímãs de neodímio são muito fortes para crianças e pequenos ímãs de neodímio apresentam enorme perigo no caso de uma criança engolir mais de uma unidade, pois os ímãs podem se atrair no intestino causando sérias complicações.

Neste caso dê preferência por ímãs de ferrite e ímãs flex. Na categoria de experiências temos produtos interessantes que demonstram de forma lúdica as energias de atração e repulsão.

Sim, o funcionamento de um marca passo pode ser afetado e sua programação alterada pela proximidade de um ímã muito forte. Cada modelo responde ao campo magnético de um jeito, portanto é recomendado não colocar ímãs fortes sobre o peito. Saiba mais em Alertas de Segurança.

Ímãs pequenos e médios não apresentam nenhum risco ao seu smartphone inclusive é bem provável que ele tenha ímãs em seus componentes. No entanto, é sempre aconselhável manter grandes e potentes ímãs longe de qualquer dispositivo eletrônico já que fortes campos magnéticos podem danificar as peças mecânicas.

É possível que pequenos componentes de um relógio mecânico fiquem magnetizados em caso de proximidade com campo magnético intenso. Uma vez magnetizado o relógio pode apresentar um funcionamento rápido, lento ou até deixar de funcionar. Muitos relógios modernos estão sendo fabricados com componentes não magnéticos justamente para evitar este tipo de contra tempo. Caso seu relógio esteja magnetizado ele poderá ser desmagnetizado por uma loja especializada e voltar a funcionar normalmente.

Informações Básicas

O ímã de neodímio é o material magnético mais forte disponível comercialmente no mundo. Ele oferece um nível de magnetismo e uma resistência a desmagnetização muito superior aos ímãs de ferrite, alnico e até samário cobalto.

Indústrias como a fabricação de motores elétricos, ciência médica, energia renovável e tecnologia contam com a incrível força dos ímãs de neodímio, e sem ele, muitos dos avanços ao longo dos últimos 30 anos não teriam sido possíveis. Eles também são úteis em atividades do nosso cotidiano como, por exemplo, para hobbies, artesanato, modelagem e criação de jóias. Devido à sua super-força, desempenho incrível e resistência à desmagnetização eles podem ser feitos em muitos formatos e tamanhos a partir de 1 mm de diâmetro.

Ímã de ferrite é um tipo de ímã permanente e são feitos de um composto químico de ferrite, que consiste em materiais cerâmicos e óxido de ferro (Fe2O3), a composição química é SrO- 6 (Fe2O3). As matérias-primas utilizadas para fabricar ímã de ferrite são o carbonato de estrôncio e óxido de ferro, cada ímã consiste em cerca de 90% de óxido de ferro e 10% de carbonato de estrôncio. Ambos os materiais são abundantes e economicamente disponíveis.

Por causa de seus baixos custos de produção e sua resistência ao calor (até 250 ° C) e corrosão, ímãs de ferrite estão entre os mais populares para aplicações cotidianas. Eles têm uma força coercitiva intrínseca muito maior do que o ímã de Alnico tornando-os superiores em resistir à desmagnetização de campos magnéticos externos. No entanto, a sua força magnética de fixação é muito mais fraca do que os ímãs de neodímio.

Os ímãs AlNiCo (fórmula química AlNiCo5 ) são mecanicamente mais resistente e mantém suas características magnéticas em uma larga faixa de temperatura, podendo varia entre -250°C a 550°C. O AlNiCo possui baixa força de tração em relação aos neodímios e perdem sua magnetização com relativa facilidade. Por outro lado, é possível moldar esse material em formas sofisticadas, como ímãs de ferradura. Os Alnicos vendidos em nossa loja são exclusivamente para experimentos escolares.

Em circunstâncias normais todos os ímãs são permanentes e podem durar muitas décadas. As seguintes influências podem levar à perda de magnetismo:

Ímãs de Neodímio

  • Calor: A maioria dos ímãs de neodímio não deve ser exposto a temperaturas acima de 80 ° C;
  • Outros campos magnéticos fortes (por exemplo, de eletroímãs).

Ímãs de ferrite

  • Calor: ferrites não devem ser expostos a temperaturas acima de 250 ° C;
  • Frio: ímãs de ferrite não devem ser resfriados abaixo de -40 ° C;
  • Outros campos magnéticos fortes: campos de eletroímãs, mas também ímãs de neodímio podem desmagnetizar ou inverter a polaridade de ímãs de ferrite. Portanto, neodímio e ferrite devem sempre ser armazenados e transportados separadamente.

Ímãs Flexíveis

  • Calor: Não devem ser expostos a temperaturas acima de 80 ° C;
  • Frio: Não devem ser resfriado abaixo de -20 ° C;
  • Outros campos magnéticos fortes: Campos de eletroímãs, mas também ímãs de neodímio e de ferrite podem desmagnetizar ou inverter a polaridade dos ímãs flexíveis. Portanto, eles devem sempre ser armazenados e transportados separadamente de outros ímãs.

Os materiais ferromagnéticos são fortemente atraídos por uma força magnética. Os elementos ferro (Fe), níquel (Ni) e cobalto (Co) são os elementos mais comuns. O aço é ferromagnético porque é uma liga de ferro e outros metais.

É muito comum os clientes perguntarem se o ímã funciona com Alumínio (Al), é considerado como um metal não ferrosos. Neste caso é necessário fazer algumas adaptações com ímã ou aço. Consulte nessa equipe de consultores se este for seu caso.

Há vários termos usados para descrever a força de um ímã, são eles:

Atração - Quanta força é necessária para puxar o ímã de uma superfície de aço, e normalmente é referenciado em quilogramas.

Como indicação de força, adicionamos o valor de força aproximada em gramas ou quilogramas à descrição de nossos ímãs de neodímio. Este é apenas um valor máximo teórico, que só pode ser obtido sob condições ideais. A força adesiva real depende dos seguintes fatores:

  1. Distância entre o ímã e a superfície de fixação: se não houver contato direto entre o ímã e o objeto, a força de tração diminui de forma acentuada com o aumento da distância. Mesmo uma pequena folga de meio milímetro pode diminuir a força pela metade. Até mesmo uma fina cobertura de tinta no objeto também contribui para uma diminuição da força adesiva.
  2. Direção da força: a força teórica de tração é válida se for aplicada uma força vertical, ou seja, se o objeto de atração magnética for puxado verticalmente pelo ímã. Saiba mais sobre força de cisalhamento.
  3. Material do objeto de atração magnética: a força teórica de tração é válida quando o objeto de atração magnética consiste em ferro macio puro. Este valor é reduzido em cerca de 5% no que diz respeito ao aço estrutural S235 e aproximadamente 30% com E360.
  4. Área de superfície do objeto de atração magnética: quanto mais lisa a superfície, maior a força de tração. Para superfícies mais ásperas, você deve prever uma redução considerável na força de tração.
  5. Espessura do objeto de atração magnética: o objeto não deve ser muito fino, pois perderá saturação magnética e parte do campo magnético permanecerá inútil.

IMPORTANTE: Ao planejar uma aplicação você não deve usar como única fonte de dados nossas especificações de força de aderência, mas sim fazer uma experiência fiel ao seu projeto para compreender a relação de força.

Leitura de Gauss (densidade de fluxo) - Se um medidor de Gauss ou sonda Hall fluxômetro é colocado sobre o polo de um ímã, uma leitura pode ser feita com o número de linhas de magnetismo em cada cm² (1 = 1 Gauss linha de magnetismo em 1cm²), também conhecido como densidade de fluxo. Esta leitura é um valor em"circuito aberto", que será substancialmente menor do que o valor de Br e está diretamente relacionado com o material e a razão entre comprimento e diâmetro do ímã. Imãs longos com diâmetros pequenos apresentam uma densidade muito mais elevada de fluxo no circuito aberto do que os ímãs curtos com diâmetros relativamente grandes, mesmo quando eles são fabricados a partir do mesmo tipo de material magnético.

Teste gráfico histerese - Este é um teste completo, onde o ímã é magnetizado e desmagnetizado dentro de uma situação de circuito fechado e um valor para o Br, Hc e (BH) max. são obtidos. Estes referem-se a quantidade máxima de magnetismo do ímã em circuito fechado, a resistência a ser desmagnetizado e a energia total no interior do ímã. Estes termos, juntamente com muitos outros estão definidos no nosso glossário de termos magnéticos.

O polo de um ímã é a superfície de onde sai a linha de magnetismo e ao mesmo tempo onde também ela se reconecta. O polo de um ímã é a área que apresenta a maior força do campo magnético em uma determinada direção. Cada polo é orientado a norte ou a sul. Todo ímã sempre terá um polo norte e um polo sul mesmo se você quebrar um ímã ao meio. Importante ressaltar que não existe ímã monopolar.

O revestimento externo dos ímãs de neodímio é aplicado para evitar corrosão, eles têm uma fina camada de níquel-cobre-níquel. Este revestimento pode rachar ou lascar em virtude de colisão ou forte pressão. Impactos fortes podem até quebrar ímãs. Não se trata de um defeito de qualidade, mas sim de uma característica do produto: A composição do neodímio NdFeB (Neodímio-Ferro-Boro) possui incrível força magnética, porém é quebradiço, porque é sinterizado a partir de pós metálicos. Portanto, recomenda-se o manuseio cuidadoso dos ímãs.

Saiba mais sobre esse assunto no Manual de Segurança.

Essa é uma pergunta muito comum, mas infelizmente nenhum tipo de manta magnética funcionará em neste caso. Diferente dos ímãs, a manta é magnetizada apenas de um lado intercalando os pólos, como a força magnética dos ímãs convencionais é maior do que os das mantas acabam desmagnetizando seus pólos, tornando-a apenas uma peça de borracha sem utilidade. Para seu caso recomendamos quadros magnéticos como o IMAboard (https://www.imashop.com.br/mural-e-office/painel-metalico-board) ou IMAslim (https://www.imashop.com.br/mural-e-office/painel-metalico-slim).

Não é possível, mas você pode fazer serigrafia ou colar um adesivo personalizado sobre o ímã.

Informações Técnicas

Gauss é a medida da indução magnética ou densidade de fluxo magnético. Simplificando, o valor de Gauss representa o número de linhas de campo magnético por centímetro quadrado, emitidos por um ímã. Quanto maior for o valor, mais linhas de magnetismo são emitidas por este ímã. No entanto, por si só, não é necessariamente uma representação da força de um ímã. Assim como o material, a geometria também tem um efeito sobre o valor de Gauss de um ímã. Por exemplo, se você tem dois ímãs de tamanhos diferentes feitos do mesmo material com a mesma superfície de Gauss, o ímã maior será sempre mais forte. Por outro lado, um pequeno ímã pode ter uma superfície elevada de Gauss, mas será capaz de suportar menos peso do que um ímã maior com uma superfície inferior de Gauss.

Não. O Br ou Remanência é a densidade máxima teórica de um campo magnético no interior de um ímã utilizado em condições de circuito fechado. A medição externa raramente ultrapassa a marca de 7.000 Gauss.

As especificações N35, N42, N45, N35SH etc. são uma medida para a qualidade do material magnético. Isto significa duas coisas:

  1. Quanta "energia magnética" por volume está contida neste material;
  2. Qual o limite de temperatura que este ímã pode ser utilizado.

Os números (por exemplo, 35, 42, 45) são equivalentes a aproximadamente o produto energético máximo do ímã (em MGOe). As letras N, M, H, SH, UH ou EH dizem algo sobre a temperatura máxima de trabalho, que pode ser de 80, 100, 120, 150, 180 ou 200 ° C. A maioria dos nossos ímãs começam com um "N" e podem ser utilizados até 80 °C.

Quando falamos sobre o "poder" de um ímã, geralmente é sobre a força de atração em contato direto com uma placa de metal ou a força de atração para um pedaço de ferro (ou de outro ímã) a uma certa distância.

O poder não é determinado apenas pelo material magnético usado; Os seguintes fatores são igualmente determinantes:

  • Volume do ímã;
  • Forma do ímã;
  • As proporções do ímã (por exemplo, a relação do diâmetro para a altura de um ímã);
  • Combinação com outros materiais, tipo ímã montado em um pedaço de metal ou em um corpo de metal.

Isto também é verdade em relação com a temperatura de trabalho. Se um ímã é, por exemplo, muito fino em relação ao seu diâmetro (ou o comprimento lateral), a temperatura máxima é atingida mais rapidamente.

Se você escolher dois ímãs da nossa lista com diferentes tamanhos e qualidade magnética, a diferença de força será principalmente devido às diferenças de volume do que em relação a diferença da qualidade magnética. É por isso que um ímã maior normalmente é mais forte mesmo quando a sua classificação magnética é inferior.

Sim, mas apenas com ímãs do mesmo formato e diâmetro. Como funciona na prática: a pilha de imãs deve ter metade do diâmetro de um ímã redondo individual. Até essa altura, a força de tração se multiplica com cada ímã adicional. Excedido esse tamanho, o ganho da força de tração diminui continuamente, independentemente da altura da pilha.

Não. Porque o magnetismo flui do norte para o polo sul de um ímã e se um ímã só tem um polo, não haveria magnetismo e, portanto, não poderia ser um ímã. Ímãs monopolo não existem. Todos os ímãs têm ambos, um polo norte e um polo sul. Se você pegar um ímã cilíndrico com o norte em uma extremidade e o sul no outro e cortá-lo ao meio para buscar apenas um polo, você vai descobrir que as duas metades apresentam novamente um polo norte e um polo sul. Se um monopolo fosse possível, isso facilitaria muito a construção de geradores com imã para atingir movimento perpétuo e eletricidade ilimitada.

Para colar os ímãs recomendamos a cola Fix Tudo ou Araldite para a maioria das aplicações. Por isso, oferecemos este produto em nossa loja. Não recomendamos a cola quente, pois sua temperatura pode desmagnetizar os ímãs de neodímio. Super Bonder também não é indicado já que pode danificar o revestimento dos neodímios. Vale a pena dar uma olhada em nossa categoria de ímãs autoadesivos. Esta opção é bastante utilizada na indústria de embalagens e gráficas.

OBS.: a cola Fix Tudo pode ser utilizada em metal, vidro, cerâmica, porcelana, madeiras e derivados, borracha e materiais flexíveis, fórmica, PVC, cortiça, isopor, concreto e mármore.NÃO COLA: Polietileno e Polipropileno.

Ímãs flexíveis sim. Utilize tesoura ou estilete sempre com muito cuidado.

Cortar ou furar um ímã de neodímio não é recomendado. Em primeiro lugar o material é frágil. Segundo a perfuração provoca poeira inflamável. Terceiro e último o processo pode aquecer e causar uma desmagnetização do material.

Cortar ou furar um ímã de ferrite não é recomendado. O material é frágil e quebradiço. Especialistas conseguem trabalhar os ferrites sob condições típicas como serra diamantada alta rotação refrigeração com água contínua. Sempre com as peças ainda desmagnetizadas. Você até pode tentar quebrar um ímã de ferrite mas não espere um corte fácil e perfeito.

Performance

Os ímãs flexíveis não são tão poderosos em pequenos formatos como os ímãs permanentes rígidos, porém quando utilizados em uma grande área podem ser uma excelente opção. Podemos considerar cerca de 30 gramas por cm².

O imã mais forte disponível no mercado é o neodímio. Eles são feitos por uma liga especial de neodímio ferro boro e são conhecidos também como super imãs ou NdFeB. O nosso campeão de força é o Ímã Neodímio N45 Epóxi Mega Bloco 110,6x89x19,5 mm que pode chegar a incrível força de 234kg em condições ideais.

A atração entre ímãs é um pouco mais forte que a repulsão. Isso acontece devido ao alinhamento molecular dos ímãs. A atração e a repulsão de ímãs diminuem significativamente com o aumento da distância.

Quando dois ímãs iguais se tocam, a atração entre dois polos opostos é de 5% a 10% mais forte que a repulsão de polos iguais.

Esse é um processo instável, sem apoios é impossível fazer um ímã permanecer em cima do outro. Vale ressaltar que os campos magnéticos interagem de maneiras complexas, difíceis de resumir com simples regras práticas, por isso sempre recomendamos testes práticos. Neste caso recomendamos os displays flutuantes.

Todos os nossos ferrites, neodímio e alnicos são anisotrópicos.

Imã Flex pode ser isotrópico ou anisotrópico. Você pode encontrar esta descrição nas especificações técnicas de cada produto.

A característica "anisotrópico" ou "isotrópico" indica se um ímã tem uma direção de magnetização preferida.

Isotrópico

  • sem preferência do sentido;
  • magnetização em qualquer direção;
  • baixo custo;
  • baixa força de aderência.

Anisotrópico

  • com preferência do sentido;
  • magnetização exclusiva no sentido indicado;
  • alto custo;
  • alta força de aderência.

O peso máximo que um ímã pode suportar em uma determinada superfície varia e depende da direção da força aplicada.

A força de tração indicada em nossos produtos aplica-se a uma força de retenção vertical na superfície de contato.

Se a força de retenção atua paralelamente à superfície de contato (direção de cisalhamento, como se estivesse na parede), seu valor máximo é muito menor (aproximadamente 15-25% da força especificada).

Talvez você tenha testado esse fenômeno com o ímã: se você tenta puxar um ímã de uma superfície de contato em um ângulo reto, precisa de muito mais força do que se deslizar de lado esse mesmo ímã. Analogia: Também é muito mais difícil pegar uma caixa pesada do chão do que empurrá-la em um piso liso. Essa força lateral é chamada força de cisalhamento ou força móvel.

Se a força de retenção não estiver em ângulo reto com a superfície de contato, seu valor máximo teórico também depende da força de atrito entre o objeto e o ímã. Se o valor máximo for excedido, o ímã começará a escorregar.

Como não conhecemos o objeto ao qual quer fixar de forma magnética, não há uma regra lógica para essa relação de força indicada, neste caso recomendamos que entre em contato com nossa equipe ou realize testes antes de finalizar seu projeto.

Algumas dicas:

Através de uma cuidadosa seleção de materiais e do atrito resultante, esse valor pode ser aumentado para até 50% da força magnética.

  • Cole nossa fita de borracha na parte traseira dos ímãs, a borracha pode minimizar a força de cisalhamento;
  • Use ímãs com revestimento de borracha ou discos de silicone;
  • Use fixadores magnéticos emborrachados ou aloje os discos em uma peças de metal apropriados com aro na parte inferior dos ímãs;
  • Experimente superfícies metálicas ásperas ou lisas para descobrir a melhor possibilidade.